O Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRAES) é o órgão que regula, orienta e fiscaliza o exercício da profissão de Administrador e Tecnólogos em Gestão no Estado do Espírito Santo. O Conselho também orienta e registra PESSOAS JURÍDICAS que exploram atividades típicas da Administração; além de acompanhar e fiscalizar processos licitatórios e concursos públicos a fim de garantir que atividades relativas à profissão sejam ocupadas por profissionais e empresas com formação e registro na área.

É uma entidade de vida própria criada pela Lei nº. 4.769 de 09/09/1965, não recebe subvenção governamental para exercer suas atividades, mantendo-se exclusivamente com as anuidades e taxas referentes aos serviços prestados aos registrados. Porém, presta contas ao TCU Tribunal de Contas da União e ao CFA – Conselho Federal de Administração.

O CRAES surgiu em 1974 como delegacia regional do CRA-RJ, e foi elevado a Conselho em 4/11/83 com a RN/CFA nº53.

Missão

Habilitar, disciplinar e fiscalizar o exercício profissional de administração primando pela conduta ética e técnica.

Visão

Ampliar a participação dos profissionais registrados nas atividades de Administração nas instituições públicas pela adequada legislação e na iniciativa privada pela conscientização dos empresários.

Foco

Reconhecimento como uma instituição forte que efetivamente habilita e fiscaliza o exercício profissional no campo da ADMINISTRAÇÃO.

Valores

► Ética (Impessoalidade)

► Impessoalidade (Parcialidade)

► Publicidade (Clareza e visibilidade)

► Legalidade (Atos legais)

► Eficiência (Nos procedimentos e serviços)

► Comprometimento (Dos conselheiros e funcionários para com o conselho

► Respeito (No relacionamento interpessoal)

► Credibilidade (Da instituição pela sociedade

Os Conselhos de Fiscalização Profissional são entidades prestadoras de serviços públicos, com “Poder de Polícia”, criados por Lei Federal para fiscalizar o exercício da profissão respectiva, em defesa da sociedade. Em consequência disso, possuem delegação de competência do Estado para:

► Habilitar legalmente os profissionais para o exercício da profissão, por meio da concessão do registro profissional;

► Habilitar legalmente as empresas e escritórios técnicos para a exploração das atividades profissionais;

► Fiscalizar o exercício da profissão;

► Aplicar o Código de Ética Profissional;

► Cobrar anuidades;

► Aplicar e cobrar multas;

► Executar débitos;

► Suspender e cassar registros.

O Conselho Regional de Administração (CRA) tem como principais finalidades propugnar por uma adequada compreensão dos problemas administrativos e sua racional solução, orientar e disciplinar o exercício da profissão, dirimir dúvidas suscitadas nos Conselhos Regionais e Federal, julgar, os recursos de penalidades impostas pelo Conselho Regional de Administração (CRA), além de zelar pelo profissional de Administração, e promover estudos e campanhas em prol da racionalização administrativa do País.

O CRA é um órgão normativo, consultivo, orientador e disciplinador do exercício da profissão, sediado em cada região do país, responsável por controlar e fiscalizar as atividades financeiras e administrativas. Este, parte do Sistema CFA/CRAs, que tem como missão Promover a Ciência da Administração valorizando as competências profissionais, a sustentabilidade das organizações e o desenvolvimento do país, é integrado pelo CFA e pelos 27 Conselhos Regionais de Administração, sediados em todos os Estados da Federação e no Distrito Federal.

Cada CRA tem por finalidade dar execução às diretrizes formuladas pelo Conselho Federal, fiscalizar, na área da respectiva jurisdição, o exercício da profissão; organizar e manter o registro do profissional de Administração; julgar as infrações e impor as penalidades referidas na Lei n° 4.769/65, expedir as Carteiras Profissionais, além de elaborar o seu Regimento para exame e aprovação pelo CFA.

► Dar execução às diretrizes formuladas pelo CFA;

► Fiscalizar na área da respectiva jurisdição, o exercício da profissão do Administrador;

► Organizar e manter o registro dos Administradores;

► Julgar as infrações e impor penalidades na conformidade da Lei nº 4.769/65;

► Expedir as carteiras profissionais dos Administradores;

► Resguardar o mercado de trabalho, evitando que profissionais alheios à categoria, assumam tarefas privativas do Profissional da Administração, conforme estabelece a Lei nº 4.769/65;

► Unificar e fortalecer a categoria do Profissional da Administração.

O Plenário do CRA-ES é composto por 9 (nove) Conselheiros Efetivos e 9 (nove) Conselheiros Suplentes. De acordo com a Lei 8.873, de 26 de abril de 1994, os Conselhos com até 12.000 (doze mil) profissionais inscritos terão 9 (nove) Conselheiros Efetivos e 9 (nove) Conselheiros Suplentes e com mais de 12.000 (doze mil) Administradores inscritos terão 13 (treze) Conselheiros Efetivos e 13 (treze) Conselheiros Suplentes.

A duração do mandato dos Conselheiros é de 4 (quatro) anos. A renovação do Plenário é de um terço e dois terços alternadamente, a cada biênio.

A Diretoria é eleita pelos Conselheiros efetivos dentre os eleitos por períodos de 2 (dois) anos.

Diretor Administrativo Financeiro : Adm. Flávio Celso Santos Rosa

Diretor Administrativo Financeiro Adjunto : Adm. Herickson Rubim Rangel

Diretor de Registro e Fiscalização : Adm. Maurílio José Martins Inês

Diretor de Registro e Fiscalização Adjunto : Adm. José Américo Merlo

Diretor Presidente : Adm. Hércules da Silva Falcão

Diretor Vice Presidente : Adm. Manoel Carlos Rocha Lima

Conselheiros Efetivos

Adm. Flávio Celso Santos Rosa

Adm. Hércules da Silva Falcão

Adm. Herickson Rubim Rangel

Tecg.ª Jocélia Ângela Guimere da Silva

Adm. José Américo Merlo

Adm.ª Letícia Toniato Simões

Adm. Manoel Carlos Rocha Lima

Adm. Maurílio José Martins Inês

Adm. Robson Brandão Neves

Conselheiros Suplentes

Adm. Alessandro Barreto de Prá

Adm. Alexandre Wernersbach Neves

Adm.ª Alzira Bermudes Barcellos

Adm.ª Fabrine Schwanz Dias

Adm. Giovani Borgo Sardi

Adm.ª Márcia Valeria Ferreira Carvalho

Adm. Osamu Francisco Takahata

Adm.ª Priscilla Modolo de Assunção

Adm. Ruy Dias de Souza

Conselheiros Federais

Adm. James Alexandre Zumerle | Suplente

Adm.ª Marly de Lurdes Uliana | Efetivo

Gabinete da Presidência

Adm. Antônio Caloni

Fernanda Cristina Diniz Manso de Carvalho

Adm.ª Marcela Rocha Haase Uhlig

Vanessa Santos Cohin de Almeida

Superintendente

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Unidade de Registro

Letícia Soares Gagno

Adm.ª Maria Adelaide Prates Ferreira

Adm.ª Melissa França Mathias Ferreira Sanz / Gerente de unidade

Raysa Leitão Soares Holz

Sheila Silva Couto Rangel

Vanessa Campos

Unidade de Fiscalização

Adm. Fabrício Mazoco

Adm. Felipe Santos Borges

Adm.ª Janaina Guaitolini Merlo Bretas / Gerente de Unidade

Adm.ª Juliana Cristina Nascimento Lorenzoni

Tatiany de Freitas Roque

Unidade Financeira

Bruno Bandeira Rocha

Elizabeth Nunes Cioffi

Jéssica Paiva Florindo

Adm.ª Kamyla Dadalto Cota / Gerente de Unidade

Unidade Administrativa

Aline Costa

Cosmira Alves Costa Toniato

Cristiany Marie Engelhardt Marim

Adm. Rafael Dias de Barros / Gerente de Unidade

Câmara de Administração e Finanças

Adm. Flávio Celso Santos Rosa | Presidente

Adm. Herickson Rubim Rangel

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Adm.ª Kamyla Dadalto Cota

Adm. Rafael Dias de Barros

Câmara de Fiscalização e Registro

Adm. Maurílio José Martins Inês | Presidente

Adm. José Américo Merlo

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Adm.ª Janaina Guaitolini Merlo Bretas

Comissão de Avaliação de Recebíveis

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli | Coordenador

Adm.ª Melissa França Mathias Ferreira Sanz

Adm.ª Kamyla Dadalto Cota

Adm.ª Janaina Guaitolini Merlo Bretas

Comissão de Especialistas de Administração do CRA-ES/MEC

Adm. Alexandre Wernersbach Neves | Presidente

Adm. Antônio Caloni

Adm. Flávio Celso Santos Rosa

Comissão de Patrimônio

Adm.ª Letícia Toniato Simões | Presidente

Adm. Alessandro Barreto de Prá

Adm.ª Kamyla Dadalto Cota

Comissão de Planejamento & Inovação

Adm. Giovani Borgo Sardi | Presidente

Adm. Herickson Rubim Rangel

Adm. Flávio Celso Santos Rosa

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Adm. Antônio Caloni

Adm. Hércules da Silva Falcão

Comissão de Tomada de Contas

Adm. Robson Brandão Neves | Coordenador

Adm.ª Fabrine Schwanz Dias

Adm.ª Priscilla Modolo de Assunção

Comissão do Proder

Adm.ª Priscilla Modolo de Assunção | Presidente

Adm.ª Kamyla Dadalto Cota

Adm. Antônio Caloni

Comissão Editorial do Informativo Ação e Administração

Adm. Hércules da Silva Falcão | Presidente

Adm. Manoel Carlos Rocha Lima

Adm. José Américo Merlo

Adm. Herickson Rubim Rangel

Adm. Antônio Caloni

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Comissão Especial do CRA Jovem

Adm. Robson Brandão Neves | Coordenador Geral

Adm. Osamu Francisco Takahata | Coordenador Adjunto

Comissão Especial do Instituto de Administração do Espírito Santo

Admª. Marly de Lurdes Uliana | Coordenadora

Adm.ª Neidy Aparecida Christo Pereira

Admª. Marcela Rocha Haase Uhlig

Adm. Antônio Caloni

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

Adm. Flávio Celso Santos Rosa

Adm. Manoel Carlos Rocha Lima

Adm.ª Priscilla Modolo de Assunção

Adm.ª Márcia Valeria Ferreira Carvalho

Adm.ª Letícia Toniato Simões

Adm. Hércules da Silva Falcão

Comissão Especial para Implantação do SEI

Adm.ª Melissa França Mathias Ferreira Sanz | Responsável pela Infraestrutura

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli | Líder de Projeto

Tatiany de Freitas Roque | Gestor SEI

Vanessa Santos Cohin de Almeida | Gestor de TI

Cosmira Alves Costa Toniato | Gestor de Processo

Comissão Permanente de Licitação

Admª. Jocélia Ângela Guimere da Silva | Coordenadora

Cristiany Marie Engelhardt Marim

Adm. Rafael Dias de Barros

Adm. Pedro Cipriano Prêmoli

A Plenária é o órgão máximo do Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRA-ES), nela os Conselheiros apreciam e deliberam sobre registro, licença e cancelamento de registro de pessoas físicas e jurídicas; julgam e decidem em primeira instância, na esfera administrativa, os processos de infração à legislação do exercício profissional e do Código de Ética Profissional do Administrador.

Nas Plenárias, o Conselheiro Presidente e o Conselheiro Diretor Administrativo Financeiro informam aos demais e ao público presente, as ações ou fatos relevantes ocorridos na administração da autarquia.

As Sessões Plenárias mensais acontecem no Auditório a partir das 8h30 e têm duração média de uma hora e meia. Agende-se e participe do seu Conselho!

Calendário de 2018

23 de Janeiro

20 de Fevereiro

27 de Março

17 de Abril

22 de Maio

19 de Junho

17 de Julho

21 de Agosto

18 de Setembro

31 de Outubro

20 de Novembro

18 de Dezembro

Diferenças entre as Finalidades Institucionais dos Conselhos de Fiscalização Profissional e dos Sindicatos/Associações de Classe

Conselhos de Fiscalização Profissional

► Conselhos de Fiscalização Profissional são entidades prestadoras de serviços públicos, com “Poder de Polícia”, criados por lei federal para fiscalizar o exercício da profissão respectiva, em defesa da sociedade. Em consequência disso, possuem delegação de competência do Estado para:

► Habilitar legalmente os profissionais para o exercício da profissão, por meio da concessão do registro profissional;

► Habilitar legalmente as empresas e escritórios técnicos para a exploração das atividades profissionais;

► Fiscalizar o exercício da profissão;

► Cobrar anuidades;

► Aplicar e cobrar multas

► Executar débitos;

► Aplicar o código de ética profissional;

► Suspender e cassar registros.

Sindicatos / Associações de Classe

Os Sindicatos/Associações de Classe são entidades criadas de acordo com previsão constitucional (art. 8º, inciso III), para defender os direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais e administrativas e podem:

► Definir pautas de negociação trabalhista para a categoria;

► Participar de acordos coletivos de trabalho;

► Homologar rescisões de contratos de trabalho;

► Prestar assistência jurídica;

► Firmar convênios visando proporcionar diversão, lazer, assistência médica e odontológica;

► Firmar convênios com empresas comerciais, objetivando proporcionar descontos aos sindicalizados, por ocasião da aquisição de bens de consumo em geral.

O CRA-ES informa que não existe qualquer vínculo entre a anuidade paga pelo Administrador ou Tecnólogo em Gestão ao Conselho e a Contribuição Sindical Anual paga por todos os trabalhadores do país. São tributos diferentes, devidos para instituições diferentes.

A anuidade dos Conselhos de Fiscalização Profissional é uma contribuição parafiscal, instituída no interesse de uma categoria profissional, amparada pelo princípio da legalidade previsto no art. 149 da Constituição Federal de 1988. O registro profissional é obrigatório para o exercício legal das profissões regulamentadas.

A Contribuição Sindical Anual é um imposto previsto nos artigos 578 a 591 da CLT, recolhido compulsoriamente pelos empregadores no mês de janeiro e pelos trabalhadores no mês de abril de cada ano. O art. 8º, IV, in fine, da Constituição da República prevê o recolhimento anual por todos aqueles que participem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, independentemente de serem ou não associados a um sindicato.

Cabe ao profissional a decisão de pagar, até 28 de fevereiro, a Contribuição Sindical Anual ao Sindicato dos Administradores do Espírito Santo (tel. 27-3222-8811) e apresentar o comprovante do pagamento na empresa, para que ela não desconte um dia do seu salário no mês de março, ou optar pela empresa descontar um dia do seu salário no mês de março para o sindicato dos trabalhadores da empresa.

Quem Paga Contribuição Sindical?

Artº 589 da CLT. A Contribuição Sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional ou até mesmo de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão.

Não se faz necessário ser associado ao sindicato, basta ser REGISTRADO no CRA (Conselho Regional de Administração). Artº 540 da CLT estão isentos do pagamento dessa contribuição, os que estiverem aposentados e desempregados ou convocados para prestação de serviços militar, bem como os que tiverem cancelado seu registro do CONSELHO DE CLASSE.

Obs: O Administrador que se enquadrar em uma das condições acima citadas terá que apresentar ao sindicato

Requerimento justificando a sua situação e anexando os documentos (cide relação abaixo) que comprovem a isenção:

► Cópia da Carteira de Trabalho a parte da foto e do contrato de trabalho com inicio e término;

► Documento da aposentadoria;

► Cancelamento do Registro.

Fechar Menu