Donas do próprio negócio somam mais de 30% no ES

Donas do próprio negócio somam mais de 30% no ES

Cheias de garra, elas conciliam vida pessoal com a gestão do negócio

Mulheres donas do próprio negócio já somaram mais de 30% no Espírito Santo, só no primeiro trimestre deste ano, segundo uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae ES). Instruídas, cerca de 41% delas têm nível médio e menos de 1% se consideram sem instrução. No Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, celebrado em 19 de novembro, os dados positivos lembram o valor da força feminina na geração de renda para o Estado.

“Cheias de garra, as empreendedoras capixabas topam o desafio de abrir um negócio após passar por uma situação de desemprego. Ou seja, é a necessidade que impulsiona a mulher a ser empresária”, explicou a administradora e especialista em Empreendedorismo Feminino, Fabrine Schwanz, também conselheira do Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRA-ES).

De acordo com ela, essas mulheres optam por atuar mais na prestação de serviços em setores como o de Beleza, Estética, Moda e Alimentação. “São os segmentos que chamamos de universo feminino. Podemos entender que elas escolhem atuar em áreas que têm maior afinidade pessoal”, pontuou a conselheira.

Desafios
Na percepção de Fabrine Schwanz a principal dificuldade das mulheres empreendedoras é conciliar as demandas da vida pessoal com a rotina de gestão do negócio. “Elas muitas vezes enfrentam uma jornada dupla, como arrimo de família, cuidado dos filhos e do negócio, sofrem pressão dos familiares ao empreender”, disse.

A administradora lembrou também que as empresárias ainda precisam lidar com os desafios de uma sociedade com traços fortes de um machismo cultural. “Mesmo quando são mais preparadas elas precisam lidar com isso. Elas, inclusive, têm mais dificuldades para obter investimentos e serem reconhecidas no mercado”, finalizou.