De profissional fiscalizado a representante institucional do CRA-ES

De profissional fiscalizado a representante institucional do CRA-ES

Hoje ele atua de forma legalizada em cargo de grande relevância para a Administração

O sonho profissional de Deidiney Santanna Peçanha ocupar um cargo de relevância na gestão poderia ter sido prejudicado, se o Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRA-ES), tivesse deixado de exercer sua função de orientar os profissionais da área.

Tudo começou, anos atrás, quando ele ingressou como estagiário um uma empresa da área da saúde, situada em Cachoeiro de Itapemirim, sul do Estado. À época, sua formação era em Ciência da Computação. “Dado meu empenho e vontade de crescer fui conquistando novos cargos dentro da empresa na área de gestão de pessoas”, lembrou Deidiney Santanna.

Ele se formou em Ciência da Computação para potencializar sua carreira. “Segui trabalhando até que um dia recebi uma orientação do CRA-ES. Tratava-se de um esclarecimento sobre aquele cargo que eu ocupava. A função era pertinente ao campo da Administração e eu não tinha a formação técnica necessária”, contou.

Ao receber a orientação, Deidiney Santanna buscou compreender melhor como poderia atuar de forma legalizada. “Para atuar como um profissional da Administração é necessário ter o registro no conselho. Naquele momento, apesar da experiência prática e pós-graduação na área, Deidiney não tinha a formação compatível e nem o registro. Por isso, fiscalizamos entendendo que era necessário primeiro orientá-lo”, esclareceu a gerente da Unidade de Fiscalização do CRA-ES, a Adm. Janaina Merlo.

A partir da troca de informações, Deidiney enviou um comunicado ao conselho declarando sua intenção em atuar de forma regularizada e legal. “Eu enviei um ofício ao CRA-ES explicando que buscaria a formação técnica requerida e, posteriormente, faria meu registro. Minha intenção nunca foi deixar de ser ético para com a profissão. Pedi ao conselho um prazo para conseguir me formar e acertar minha situação”, contou ele.

Ao receber o ofício o conselho entendeu ser cabível. “Demos ao Deidiney o prazo pedido porque antes das ações disciplinadoras buscamos sempre orientar os profissionais da administração e conscientizá-los sobre a importância legal em ter o registro”, explicou a Adm. Janaina Merlo.

Prazo cumprido

Deidiney Santanna Peçanha alcançou a formação na área de Administração, obtendo assim a qualificação técnica comprovada. E atualmente cursa Ciências Contábeis. “Hoje atuo como gerente administrativo em um hospital particular, que foi onde comecei minha jornada profissional. Foi muito bom ter essa orientação do conselho”, contou ele, que hoje faz parte do quadro de Representantes Institucionais do CRA-ES.